Você sabe o que é CEFR?

Atualizado: 27 de mai. de 2021




Você sabia que existe um padrão internacionalmente reconhecido para descrever a sua proficiência em um idioma? Estamos falando do Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (Common European Framework of Reference for Languages – CEFR), uma escala de 6 níveis que vai dos iniciantes A1 até o mais alto nível, C2, quando se tem domínio pleno do idioma. A interpretação do quadro é bastante simples: ele se divide em 3 categorias principais, que por sua vez apresentam subdivisões – cada uma com uma descrição bastante detalhada das habilidades com a língua que cada nível apresenta.

As informações descritas podem ser observadas com detalhes abaixo:

 

A – BÁSICO


A1 – INICIANTE

É capaz de compreender e usar expressões familiares e cotidianas, assim como enunciados muito simples, que visam satisfazer necessidades concretas. Pode apresentar-se e apresentar outros e é capaz de fazer perguntas e dar respostas sobre aspectos pessoais como, por exemplo, o local onde vive, as pessoas que conhece e as coisas que tem. Pode comunicar de modo simples, se o interlocutor falar lenta e distintamente e se mostrar cooperante.


A2 – BÁSICO

É capaz de compreender frases isoladas e expressões frequentes relacionadas com áreas de prioridade imediata (p. ex.: informações pessoais e familiares simples, compras, meio circundante). É capaz de comunicar em tarefas simples e em rotinas que exigem apenas uma troca de informação simples e direta sobre assuntos que lhe são familiares e habituais. Pode descrever de modo simples a sua formação, o meio circundante e, ainda, referir assuntos relacionados com necessidades imediatas.

 

B – INDEPENDENTE


B1 – INTERMEDIÁRIO

É capaz de compreender as questões principais, quando é usada uma linguagem clara e estandardizada e os assuntos lhe são familiares (temas abordados no trabalho, na escola e nos momentos de lazer, etc.). É capaz de lidar com a maioria das situações encontradas na região onde se fala a língua-alvo. É capaz de produzir um discurso simples e coerente sobre assuntos que lhe são familiares ou de interesse pessoal. Pode descrever experiências e eventos, sonhos, esperanças e ambições, bem como expor brevemente razões e justificações para uma opinião ou um projeto.


B2 – USUÁRIO INDEPENDENTE

É capaz de compreender as ideias principais em textos complexos sobre assuntos concretos e abstratos, incluindo discussões técnicas na sua área de especialidade. É capaz de comunicar com certo grau de espontaneidade com falantes nativos, sem que haja tensão de parte a parte. É capaz de exprimir-se de modo claro e pormenorizado sobre uma grande variedade de temas e explicar um ponto de vista sobre um tema da atualidade, expondo as vantagens e os inconvenientes de várias possibilidades.

 

C - PROFICIENTE


C1 – PROFICIÊNCIA OPERATIVA EFICAZ

É capaz de compreender um vasto número de textos longos e exigentes, reconhecendo os seus significados implícitos. É capaz de se exprimir de forma fluente e espontânea sem precisar procurar muito as palavras. É capaz de usar a língua de modo flexível e eficaz para fins sociais, acadêmicos e profissionais. Pode exprimir-se sobre temas complexos, de forma clara e bem estruturada, manifestando o domínio de mecanismos de organização, de articulação e de coesão do discurso.



C2 – DOMÍNIO PLENO

É capaz de compreender, sem esforço, praticamente tudo o que ouve ou lê. É capaz de resumir as informações recolhidas em diversas fontes orais e escritas, reconstruindo argumentos e fatos de um modo coerente. É capaz de se exprimir espontaneamente, de modo fluente e com exatidão, sendo capaz de distinguir finas variações de significado em situações complexas.

 

CEFR E O SISTEMA MOVA: QUAL A IMPORTÂNCIA DO CEFR NO APRENDIZADO DE IDIOMAS?


Para responder essa pergunta, devemos enfatizar que o aprendizado de idiomas é contínuo, sempre desenvolvendo as habilidades do aluno com a nova língua até que sejam atingidos níveis cada vez mais altos na classificação do CEFR.

Levando em consideração que o conhecimento de outra língua é variável de pessoa para pessoa, saber o atual nível de inglês e as habilidades já adquiridas pelo aluno é crucial para garantir que a personalização do planejamento das aulas seja eficiente e entregue os resultados esperados pelo aluno. Para este fim, frequentemente são realizados testes de nivelamento, visando a primeira avaliação (voltada para o planejamento) e as subsequentes reavaliações, durante o curso, do nível de inglês e das habilidades do aluno, tendo em mente a garantia de que o progresso seja mantido e que o mesmo concorde com as competências descritas pelo CEFR.


Por último, destaca-se que nenhum teste de nivelamento, nem mesmo o teste interno desenvolvido pela Mova Aceleradora, apresenta resultados com 100% de confiança. Apenas os testes realizados por grandes instituições – como os conhecidos testes de Cambridge, TOEFL, IELTS, entre outros – são capazes de atestar, verdadeiramente, o nível do aluno. Qualquer outro teste de nivelamento aplicado representa uma estimativa, para que o curso, instituição de ensino ou professor consiga elaborar um plano de estudo que seja condizente com o nível do aluno.


Clicando aqui, você consegue fazer o nosso teste de nivelamento.


Referências:

British Council Website: https://www.britishcouncil.org.br/cefr


https://rm.coe.int/common-european-framework-of-reference-for-languages-learning-teaching/16809ea0d4


88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo